Workshop com Priscila Zillo: 3 Pilares da Preparação Otimizada

O blog Sapi tem um convite muito especial para você hoje: uma oportunidade que vai ajudar a melhorar o rendimento dos seus estudos e auxiliar na sua aprovação no Concurso de Admissão à Carreira Diplomática. Quem escolhe fazer o CACD sabe (ou descobre rapidinho) que é um dos concursos mais difíceis do país, tanto pelo nível do conhecimento cobrado quanto pelas diversas áreas exigidas nas provas. Por isso, uma preparação eficiente é essencial. Mas você acha que está se preparando da melhor forma possível? Acha que tem algo que precisa ser melhorado?

Priscila Zillo, diretora-geral do Curso Sapientia, trabalha há mais de 10 anos com preparação para concursos públicos e conhece as mais diversas preocupações dos candidatos, como, por exemplo:

– “Não sinto que estou avançando nos estudos como deveria…”

– “Por que não consigo me concentrar direito?”

– “Sinto que estou perdendo tempo fazendo tantos fichamentos!”

– “Nunca lembro em detalhes o que estudei há mais tempo e estou errando questões sobre materiais já repassados…”  

E aí, se identificou? Pois é, essas inseguranças são mais comuns do que imaginamos. Em uma pesquisa feita no ano passado com candidatos ao Itamaraty, a Priscila Zillo descobriu que quase 90% dos candidatos não estão seguros da forma como estão se preparando para o CACD, seja porque não tem confiança na forma como estudam, seja porque acham que precisam melhorar a técnica empregada.

Mas e daí? Qual o convite afinal? Com base no resultado dessa pesquisa, a Priscila Zillo propôs um workshop 100% online e gratuito para auxiliar os candidatos a superarem suas deficiências na preparação para a carreira diplomática. A primeira edição desse workshop, realizada em 2016, foi um sucesso tão grande que ela decidiu relançar a iniciativa. A 2ª edição do workshop 3 Pilares da Preparação Otimizada contará com uma curta série de vídeos que vão explicar o que não pode faltar na preparação de quem quer ter chances reais de ser aprovado no concurso (ainda mais se estiver com a meta de passar no menor tempo possível). Nesses vídeos, ela vai trabalhar com os pilares de preparação que desenvolveu ao longo dos anos em que trabalha com coaching para concursos públicos de alto desempenho, como o CACD. Eles têm ajudado na aprovação de diversos candidatos e com certeza vão te ajudar também.

O workshop COMEÇA HOJE, quinta-feira, dia 19, e vai até o dia 23 de janeiro, segunda-feira. Você pode se inscrever clicando na imagem abaixo e vai poder começar, desde já, a tomar as atitudes necessárias para sair na frente dos concorrentes. Não perca essa oportunidade para tirar todas as suas dúvidas sobre organização e planejamento de estudos, cronograma, fontes de conhecimento e outras questões que nenhum curso de conteúdo ensina.

2o-workshop

Sugestão de Leitura: China na ordem internacional

A ascensão internacional da China foi observada com admiração e cautela pelos seus pares do sistema global nas últimas décadas. Apesar da desaceleração da economia chinesa após a crise de 2008, o país ainda cresce a ritmos superiores que a grande maioria dos outros países, além de contar com amplo mercado interno ainda em expansão. A diversificação da atuação econômica chinesa internacionalmente, o aumento de investimentos em setores e regiões mais distantes do gigante asiático e o aprofundamento da integração com seu entorno regional demonstram a capacidade de adaptação e antecipação da China frente os percalços econômicos do século XXI.

Mesmo sendo um dos grandes atores econômicos do planeta, a atuação internacional da China ainda consegue, de certa maneira, confundir observadores das relações internacionais e, por vezes, até mesmo os atores desse sistema. Sua economia e poderio militar devem ser entendidos como ameaça pelo Ocidente? Há o interesse por parte da China de subjugar o sistema internacional existente? Qual o papel que a China deveria assumir na ordem internacional? Porque Beijing não arca com mais responsabilidades no cenário internacional? Muitas dessas perguntas são feitas por aqueles que tentam entender a inserção chinesa no mundo atual.

A sugestão do blog Sapi de hoje busca responder algumas dessas perguntas – ou, ao menos, contextualizá-las. O artigo “China and the World: Dealing With a Reluctant Power“, do professor e pesquisador Evan A. Feigenbaum, explica a forma como a China busca se inserir nas estruturas internacionais existentes e quais os principais objetivos de sua atuação internacional. O autor também trata sobre a forma como o os países ocidentais, em especial os Estados Unidos, devem adaptar suas estratégias em relação à China para garantir não só uma relação mais profícua com o país asiático, mas também garantir que Beijing participe consturtivamente da ordem vigente. Confira!

PS: para quem não tem acesso ao site da revista Foreign Affairs (onde o texto foi publicado), ele também está disponível neste link.

15 anos do Euro

euroO dia 1o de janeiro de 2017 marcou não apenas o começo do novo ano, mas também os 15 anos do início da circulação da moeda única europeia, o Euro. Atualmente, o Euro é adotado por 19 dos 28 países da União Europeia, alcançando uma população de aproximadamente 340 milhões de pessoas. Apesar da crescente onda eurocética que tem atravessado o continente, o Euro ainda é visto de forma positiva pela maior parte da população, em especial os mais jovens (15-24 anos), tanto da União Europeia quanto da Zona do Euro (58% e 70%, respectivamente). O recrudescimento dos nacionalismos na Europa junta-se à necessidade de uma recuperação econômica mais robusta como alguns dos principais desafios a serem vencidos pela união monetária para continuar avançando e se fortalecendo no século XXI.

Criação da moeda única

A ideia de uma ideia única europeia é muito anterior à sua entrada em circulação, tendo sido sugerida antes mesmo da existência do processo integracionista no continente. Tentativas de promover integração monetária remontam até mesmo ao século XIX, com as experiências fracassadas da União Monetária Latina e Escandinava. Com a criação da Comunidade Econômica Europeia, em 1957, os países-membros tinham a intenção de alcançar um mercado comum europeu em 12 anos. Os planos ambiciosos sofreram, porém, com uma década de estagnação e ceticismo (1960) e com uma década de crise econômica (1970), que acabaram postergando o processo.

A evolução normativa da integração europeia na década de 1980, em particular o Ato Único Europeu, de 1986, intensificou a eliminação de barreiras entre os países e abriu caminho para a assinatura, em 1992, do Tratado de Maastrich, também conhecido como Tratado da União Europeia, no qual foram lançadas as bases para a criação da moeda única europeia. Dois países que já eram membros da União Europeia optaram por não fazer parte da Zona do Euro: Dinamarca e Reino Unido. O Pacto da Estabilidade, de 1997, estabeleceu os critérios de convergência para países poderem adotar o Euro, como metas de inflação, política cambial, taxas de juros e controle das finanças governamentais e, no dia 31 de dezembro de 1998, foram fixadas as taxas de conversão das moedas nacionais europeias em relação à Unidade Monetária Europeia (UME). Essa moeda escritural, utilizada apenas virtualmente, existiu entre 1999 e 2002, quando foi finalmente substituída pelo Euro.

Inicialmente o Euro era utilizado por 12 países da União Europeia (Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal e Grécia, que ingressou em 2001), mas a Zona do Euro sofreu expansões ao longo dos anos, permitindo a entrada dos países a partir do momento em que atingiam os critérios estabelecidos no Pacto de 1997. Assim, passaram a utilizar a moeda, Eslovênia (29907, Chipre (2008), Malta (2008), Eslováquia ( 2009), Estônia (2011), Letônia (2014) e Lituânia (2015). A política monetária da Zona do Euro é conduzida pelo Eurossistema, composto pelo Banco Central Europeu e pelos bancos centrais dos estados que adotaram a moeda única.

Desafios para o Euro

Apesar da relevância do mercado europeu e da importância do Euro no mercado internacional, a inserção de uma moeda única não foi um processo fácil. As amplas disparidades entre as economias dos países da Zona do Euro, as diferenças dos ciclos econômicos de cada uma e a inexistência de políticas fiscais unificadas eram desafios a ser superados desde a entrada em circulação da moeda. A introdução de uma moeda comum a países economicamente tão diferentes como Alemanha e Grécia produziria, de certo, contrastes e resultados diversos, como, por exemplo, a perda da competitividade industrial grega. Dessa forma, entende-se que a decisão teve um viés tanto político quanto econômico: a unificação econômica traria benefícios e desafios, mas havia vontade política para entrar nesse processo.

Apesar das disparidades internas, o Euro teve boa aceitação nos mercados internacionais em pouco tempo. Houve alguma instabilidade no primeiro ano de utilização da moeda física, porém, já em 2003, o Euro mantinha-se valorizado frente ao dólar e à libra esterlina, além de chegar a representar aproximadamente 25% das reservas internacionais. A força que o Euro vinha ganhando nos seus primeiro anos foi testada com a crise financeira de 2008, que gerou resultados graves na Europa.

A recessão e a diminuição do crédito internacional nos anos seguintes trouxeram dificuldades aos países europeus em se financiarem, em especial as economias mais frágeis da região. Além da queda de receita causada pela recessão econômica, a menor fluidez de capitais no sistema internacional diminuiu a capacidade de venda de títulos públicos de países que se apoiavam na credibilidade da moeda europeia e vinham, desde 2002, aumentando seu nível de endividamento. Casos como o da Grécia, que necessitou da ajuda do Banco Central Europeu para evitar a moratória de sua dívida pública, afetaram a credibilidade da moeda e da capacidade de resposta da Zona do Euro em lidar com essas questões.

No mesmo período, houve o fortalecimento de discursos nacionalistas dentro da União Europeia como um todo. Críticas às políticas migratórias do bloco uniram-se às insatisfações com a situação econômica, o que fortaleceu o discurso eurocético em diversos países, inclusive na França, uma das principais economias do Euro. A forma como o bloco e a autoridade monetária vão abordar essa questão, de forma a garantir a maior integração entre os países e a manutenção do crescimento regional, é um dos principais desafios que os países têm pela frente.

Inscrições abertas: Edital de abertura do processo seletivo para monitor bolsista

Olá, CACDista! Tudo bem?
Você está com dificuldades em financiar seus estudos para o CACD?
Já pensou em participar de atividades que aumentarão o seu desempenho na preparação para o concurso? Então, este post é para você!

Estão abertas as inscrições para o processo seletivo de monitor bolsista no Curso Sapientia! Você tem entre os dias 13 e 20 de janeiro de 2017 para realizar a sua inscrição.
Clique aqui para ler o edital completo.

Défi de Français: les réponses

Salut les gens! Pour ceux qui ont fait l’activité, voici les réponses.

À la prochaine !

  1. Le candidat à la présidence a lu à son bras droit le discours qu’il allait prononcer devant les électeurs.
    Le candidat à la présidence lui a lu le discours qu’il allait prononcer devant les électeurs.
  1. Le professeur a rappelé à ses élèves la date de l’examen final.
    Le professeur leur a rappelé la date de l’examen final.
  1. La délicieuse nuit passée à l’hôtel a fait oublier aux randonneurs l’extrême fatigue des derniers jours.
    La délicieuse nuit passée à l’hôtel leur a fait oublier l’extrême fatigue des derniers jours.
  1. Le général a ordonné à son armée de suspendre l’attaque de la forteresse.
    Le général lui a ordonné de suspendre l’attaque de la forteresse.
  1. Le représentant des ventes a garanti à la clientèle l’imperméabilité de ces chaussures de sport.
    Le représentant des ventes lui a garanti l’imperméabilité de ces chaussures de sport.
  1. L’équipe médicale d’urgence a prodigué les premiers soins aux blessés.
    L’équipe médicale d’urgence leur a prodigué les premiers soins.
  1. L’année dernière, l’université a accordé des bourses à ces étudiants.
    L’année dernière, l’université leur a accordé des bourses.
  1. En guise de rémunération, la société a octroyé à son personnel des options sur actions.
    En guise de rémunération, la société lui a octroyé des options sur actions.
  1. Elle a excusé à Marcel tous ses retards.
    Elle lui a excusé tous ses retards.
  1. La Croix-Rouge a acheminé des ravitaillements aux sinistrés.
    La Croix-Rouge leur a acheminé des ravitaillements.

 

Défi de Français: Pronom personnel / Complément indirect

Le défi d’aujourd’hui porte sur l’emploi du pronom personnel en fonction de complément indirect. Testez vos connaissances!

Bonne chance à tous et à toutes !

Remplacez chaque groupe nominal en fonction de complément indirect du verbe par un pronom personnel et faites toutes les transformations nécessaires

Exemple
Il a téléphoné à ses parents ce matin.

Réponse
Il leur a téléphoné ce matin

  1. Le candidat à la présidence a lu à son bras droit le discours qu’il allait prononcer devant les électeurs.
  1. Le professeur a rappelé à ses élèves la date de l’examen final.
  1. La délicieuse nuit passée à l’hôtel a fait oublier aux randonneurs l’extrême fatigue des derniers jours.
  1. Le général a ordonné à son armée de suspendre l’attaque de la forteresse.
  1. Le représentant des ventes a garanti à la clientèle l’imperméabilité de ces chaussures de sport.
  1. L’équipe médicale d’urgence a prodigué les premiers soins aux blessés.
  1. L’année dernière, l’université a accordé des bourses à ces étudiants.
  1. En guise de rémunération, la société a octroyé à son personnel des options sur actions.
  1. Elle a excusé à Marcel tous ses retards.
  1. La Croix-Rouge a acheminé des ravitaillements aux sinistrés.

 

Sugestão Sapi: filmes sobre História do Brasil

Voltamos! Sentiram nossa falta? O recesso de fim de ano do Curso Sapientia já acabou, então mãos à obra que o CACD não espera ninguém!

Mas como sabemos que voltar do descanso não é a tarefa mais fácil de todas, vamos começar devagar. Sem textos, sem sugestões de leituras, sem desafios (por enquanto!)…

Para marcar o retorno do blog Sapi em 2017, trouxemos um vídeo do professor Filipe Figueiredo com sugestões de filmes para você ir retomando seus estudos e se divertir ao mesmo tempo. Na última Sugestão Sapi, o professor Filipe indicou alguns filmes sobre temas de História Mundial que poderiam ser cobrados no CACD e como o vídeo foi muito bem recebido, vamos divulgar mais um. Dessa vez, os filmes escolhidos tratam sobre temas da História do Brasil, desde período colonial até tempo atuais. Não vão faltar opções para você escolher e complementar seus estudos de forma mais leve. Confira!

Retrospectiva 2016 e Boas Festas

2016 está chegando ao fim! E olha, foi um ano intenso aqui no Curso Sapientia, viu? Passamos por dificuldades, sofremos perdas importantes (Viva Anariá!), mas também tivemos muitas vitórias e alegrias. Desenvolvemos um trabalho do qual nos orgulhamos, com profissionalismo e dedicação, e tivemos uma resposta muito positiva dos nossos alunos. Coroamos todo esse esforço ao comemorar a aprovação de vários alunos e amigos no CACD 2016.

Como fim de ano é um momento propício para fazer esse tipo de balanço, queremos aproveitar para agradecer. Agradecer principalmente a você que acompanha e confia no nosso trabalho. E como agradecimento, preparamos um vídeo especial para você, uma retrospectiva de 2016 e nossos votos para 2017. Esperamos que gostem e que possamos continuar juntos no próximo ano para alcançar o seu sonho de entrar no Instituto Rio Branco.

Aviso: o Curso Sapientia entrará em recesso hoje e voltará no dia 09 de Janeiro. Até lá!

Boas festas e um excelente 2017!

Papo Sapiente Dose Dupla

O Natal chegou mais cedo para os cacedistas esse ano! Devido ao sucesso do Papo Sapiente com Sarah Venites, aprovada no CACD 2016, decidimos encerrar o ano de 2016 com tudo e vamos promover mais DOIS eventos ao vivo, on-line e gratuitos.

Se você gostou de ouvir sobre a experiência da Sarah, sobre as dificuldades pelo caminho e como superá-las, sobre estratégias que deram certo para ela e se você se sentiu ainda mais motivado (a) para continuar nessa árdua jornada chamada CACD, você não pode perder nossos próximos encontros. Vamos conversar com outros dois aprovados na prova desse ano com histórias interessantes para compartilhar: Tiago Siscar e Emanuel Sebag.

E quando será isso? O primeiro Papo Sapiente será com o Tiago Siscar, HOJE, dia 21/12, às 20h. Amanhã, dia 22/12, conversaremos com o Emanuel Sebag, também às 20h.

Para quem não conhece o formato dos webinários do Curso Sapientia, eles são inteiramente on-line e você recebe o link para participar da transmissão cerca de 15 minutos antes do horário marcado para o evento.

Você não pode perder essa oportunidade! Clique na imagem abaixo e faça a sua inscrição 🙂
PS: se você já estava inscrito no webinário com a Sarah Venites, já foi automaticamente incluído na lista para os próximos eventos.

01d03a0b059e7a6f69eecd4eba68376a303e597212974f182bpimgpsh_fullsize_distr

3 Perguntas: Manoel de Barros

Em 19 de dezembro de 1916, nascia Manoel de Barros. Considerado um dos maiores poetas brasileiros, produziu extensa obra em seus 97 anos de vida. Seu estilo, apesar de parecer simples, tem características específicas e experimentais importantes, que podem confundir o cacedista menos familiarizado com sua escrita.

Para comemorar o centenário do autor, o professor Ivo Yonamine respondeu 3 Perguntas sobre Manoel de Barros e sua presença no CACD. Confira!

  1. Quem foi Manoel de Barros?
  2. Como é a obra de Manoel de Barros?
  3. Como ele é cobrado no CACD?