120 anos da Guerra Hispano-Americana

Olá, amigas e amigos CACDistas!

Hoje, vamos relembrar um conflito que é muito caro ao nosso concurso, já que da mesma sorte também o foi para um dos principais players atuais – os Estados Unidos. Há autores que consideram o ano de 1898 como um Turning Point para os americanos, sobretudo no que concerne à condução da política externa.

Visão Geral

O movimento cubano pela independência da Espanha em 1895 reuniu considerável apoio americano. Quando o USS Maine afundou, os Estados Unidos acreditavam que a tragédia foi resultado da sabotagem espanhola e declararam guerra à Espanha.

A guerra hispano-americana durou apenas seis semanas e resultou em uma vitória decisiva para os Estados Unidos. O futuro presidente dos EUA Theodore “Teddy” Roosevelt ganhou destaque nacional devido ao seu papel no conflito.

Embora os Estados Unidos tenham prometido que não anexariam Cuba após a vitória, exigiam que Cuba permitisse uma significativa intervenção americana nos assuntos cubanos.

Como resultado da guerra, os Estados Unidos adquiriram Porto Rico, Guam e as Filipinas como territórios.

O conflito entre o império e a democracia

No final do século XIX, as nações da Europa competiam por colônias ultramarinas na África e na Ásia. Muitos americanos achavam que os Estados Unidos deviam entrar nesse jogo de impérios e demonstrar seu poder crescente no mundo.

Mas os Estados Unidos não esqueceram seu próprio passado colonial. Quando as colônias americanas se rebelaram contra os britânicos, sua frustração em obedecer a um governo em um oceano ajudou a definir a visão americana da democracia representativa. Assumir o papel de um senhor distante parece uma violação essencial desses princípios.

No início, parecia que os Estados Unidos não cederiam às tentações do império. Quando, em 1893, os proprietários das plantações de cana-de-açúcar dos EUA criaram um golpe para destronar a Rainha Lili’uokalani, do Havaí, e anexar as ilhas havaianas, os Estados Unidos se recusaram a cooperar com o esquema dissimulado. Mas esses escrúpulos durariam?

Problemas em Cuba

Não muito tempo depois do golpe havaiano, notícias perturbadoras vieram de Cuba. Em 1895, os cubanos se revoltaram contra a Espanha, que controlava a ilha desde o século XVI.

Em uma tentativa de sufocar a insurreição, os espanhóis cercaram os cubanos e os obrigaram a se estabelecer em campos de reconcentração, onde saneamento e doenças precárias mataram milhares de pessoas.

Os jornais americanos, ávidos por vender cópias, levaram o público a um frenesi contra os espanhóis ao relatar histórias sensacionais (verdadeiras e falsas) em uma prática conhecida como jornalismo amarelo. Os cubanos oprimidos, afirmavam eles, estavam sofrendo nas mãos de tiranos europeus, assim como os Estados Unidos haviam feito antes da Revolução Americana.

A fim de proteger os americanos e seus bens em Cuba durante o caos, os Estados Unidos enviaram o navio de guerra USS Maine para o porto de Havana. Apenas nove dias após sua chegada, o Maine explodiu, matando 260 marinheiros americanos.

Os espanhóis alegaram, corretamente, que a explosão foi resultado de um mau funcionamento a bordo do navio, mas os americanos estavam convencidos de que o Maine havia sido destruído pela sabotagem espanhola.

Depois de algumas tentativas fracassadas de mediação da disputa, os Estados Unidos declararam guerra à Espanha em 11 de abril de 1898. Para evitar a possibilidade de anexação de Cuba pelos EUA, o Congresso aprovou a Emenda Teller, que proclamava que os Estados Unidos ajudariam o país. O povo cubano ganha sua liberdade da Espanha, mas não anexaria a ilha após a vitória.

Uma esplêndida pequena guerra

Os remanescentes cansados ​​do império do Novo Mundo da Espanha não eram páreo para novos navios de guerra americanos. Nos mares, as forças dos EUA rapidamente despacharam a frota espanhola.

Os espanhóis ficaram surpresos quando os americanos capturaram as Filipinas, um posto avançado do império no Pacífico, cujos cidadãos também estavam se rebelando contra o domínio espanhol.

Em terra, a disputa não foi tão fácil. A força militar americana era composta principalmente por voluntários mal equipados para uma expedição nos trópicos.

O futuro presidente Teddy Roosevelt, que havia reunido um regimento de cavalaria voluntário conhecido como Rough Riders, ganhou fama por uma acusação que teria tido pouco sucesso se não fosse pelo apoio de soldados afro-americanos experientes servindo em unidades de infantaria e cavalaria segregadas.

No entanto, em seis semanas, as forças dos EUA estavam no controle das duas principais possessões espanholas no exterior, Cuba e Filipinas.

Temeroso de que o Japão pudesse tentar tomar o controle do Havaí enquanto os Estados Unidos se distraíssem com a Espanha, o presidente William McKinley também assinou uma resolução formalmente anexando o Havaí em 7 de julho de 1898.

Cansada da guerra, a Espanha assinou um armistício em 12 de agosto de 1898. Menos de quatrocentos americanos haviam morrido, levando o secretário de Estado John Hay a declarar o conflito uma “pequena guerra esplêndida”. Menos esplêndido, mas raramente mencionado, foram as mais de 5 mil mortes americanas de doenças como malária e febre amarela.

Consequências da guerra hispano-americana

No outono e no inverno de 1898, diplomatas representando a Espanha e os Estados Unidos se reuniram para definir os termos da paz. No Tratado de Paris, a Espanha concordou em libertar Cuba e ceder as ilhas Guam e Porto Rico aos Estados Unidos.

Além disso, os Estados Unidos concordaram em pagar à Espanha US $ 20 milhões pelas Filipinas (o que os espanhóis quiseram de volta quando os americanos capturaram Manila após o armistício de 12 de agosto, devido a atrasos nas comunicações). Os Estados Unidos se tornaram um império.

De maneira notável, nem representantes cubanos nem filipinos puderam participar das negociações. Os Estados Unidos defenderiam seu compromisso com a liberdade de Cuba ou assumiriam o lugar da Espanha como um opressor distante? A resposta foi um pouco de ambos: embora os Estados Unidos não tenham anexado Cuba completamente, forçou os cubanos a reconhecer o controle americano em sua nova Constituição.

Na Emenda Platt, Cuba concordou em permitir a intervenção diplomática, econômica e militar americana e em arrendar a Baía de Guantánamo para uso americano.

Para os filipinos, que se aliaram às forças dos EUA para derrubar a Espanha, o resultado da guerra foi uma piada cruel. Embora os americanos não estivessem dispostos a permitir que as Filipinas permanecessem nas mãos dos espanhóis, eles também não estavam dispostos a dar liberdade aos filipinos.

Políticos americanos acreditavam que seus “pequenos irmãos marrons” (como o futuro presidente americano William H. Taft os chamava) eram incapazes de se autogovernar.

Os filipinos rapidamente perceberam que tinham trocado uma potência imperial por outra e voltaram sua rebelião contra os Estados Unidos. Por dois anos, os Estados Unidos lutaram para acabar com a insurreição filipina, ironicamente recorrendo às mesmas táticas usadas pelos espanhóis contra os cubanos.

Em 1901, os Estados Unidos derrotaram os rebeldes e as Filipinas se tornaram um território americano.

O que significa ser um território americano? Isso não estava muito claro; Antes da Guerra Hispano-Americana, os Estados Unidos nunca haviam anexado território sem a expectativa de que alcançaria uma eventual condição de Estado.

Para os porto-riquenhos, significava que eles tinham cidadania americana (eventualmente), mas não autogoverno. Para os filipinos, isso não significava nem cidadania nem independência.

Uma coisa era certa: depois da guerra hispano-americana, os Estados Unidos nunca mais seriam os mesmos. Ele sobreviveu por mais de cem anos como uma nação isolacionista, afastado das potências europeias, e emergiu como um gigante industrial após a Guerra Civil.

Com sua derrota decisiva da Espanha e a aquisição de um império de longo alcance, os Estados Unidos chegaram como um importante participante no cenário mundial.

A guerra com a Espanha em 1898 construiu, pois, um sentimento de confiança nacional; alterou antigos padrões de pensamentos e reformulou a maneira como os americanos viam o mundo e a si mesmos. Seu resultado agradou algumas pessoas, mas incomodou outras tantas que levantaram questões sobre a própria guerra, colônias e a sujeição dos povos.

A guerra deixou um império americano, pequeno para os padrões europeus, mas bastante novo no Caribe e profundamente no Pacífico. A influência americana foi ainda mais longe e os Estados Unidos foram, a partir de então, reconhecidos como uma “potência mundial”.

A Guerra Hispano-Americana estabeleceu os Estados Unidos como uma força dominante para o século XX. Trouxe colônias americanas e milhões de súditos coloniais; trouxe as responsabilidades de governar um império e protegê-lo. Para melhor ou pior, envolveu o século nos argumentos e assuntos de outras nações.

A guerra empoderou ainda mais o escritório da presidência, arrastou a nação em uma onda de emoção e confirmou a crença de longa data na superioridade do Novo Mundo sobre o Velho. Depois que o conflito acabou, os americanos olhavam para fora como nunca antes, tocados, com certeza, com um destino especial.

E aí, o que achou da nossa sessão Fatos Históricos de hoje? Conta para a gente nos comentários!


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s