Saiu! Resultado do processo seletivo para monitores bolsistas 2016

 

Este post deve ser lido com trilha sonora:

 

 

Foi difícil escolher o nosso time de monitores bolsistas para os cursos livres do Sapientia (aka, Curso Regular Extensivo, Curso de Resolução de Questões e Curso Regular de Língua Inglesa) para o ano letivo de 2016. Muita, mas muita gente boa estava no páreo. Depois de muita avaliação, negociação e ponderação, batemos o martelo.

Se você não está na lista de convocados para a primeira chamada, muita calma nessa hora: há possibilidade de convocação em segunda chamada.

O Departamento Atendimento ao Aluno entrará em contato com os (as) aprovados (as), para inscrição nas respectivas disciplinas, além das demais contrapartidas previstas em edital.

 

LÍNGUA PORTUGUESA: Izabella Cansanção Marques

LÍNGUA INGLESA: Jônathas Silveira

POLÍTICA INTERNACIONAL: Felipe Pinheiro Mello

HISTÓRIA MUNDIAL: Igor Goulart Teixeira

HISTÓRIA DO BRASIL: Gustavo Caetano Jacinto

DIREITO INTERNO: Igor Moreira Moraes

DIREITO INTERNACIONAL: Breno Queiroz Simeão

ECONOMIA: Emanuel Sebag de Magalhães

GEOGRAFIA: Carolina Vilela Figueiredo

LÍNGUAS FRANCESA E ESPANHOLA: José Henrique Rosseto

PRESENCIAL – SP: Daiane Mikevis Sobreira

 

Curso Sapientia disponibiliza curso gratuito de PI para o CACD

Cacdista, você não leu errado. O Curso Sapientia promete e cumpre.
NOSSA PROMESSA:
16 de nov
E EIS A NOTÍCIA BOMBÁSTICA:
 
No dia 21 de novembro, começa um curso gratuito de Política Internacional para alunos inscritos.
meme curso pi2
 
O curso será ministrado em sete aulas pelo Professor Guilherme Casarões e terá dois webinários ao vivo com o professor da Casa e diplomata, Leonardo Rocha Bento. O programa cobre os paradigmas, conceitos e teorias das Relações Internacionais aplicados à Política Externa Brasileira
Segundo o Professor Guilherme Casarões, a proposta é “preencher uma deficiência, sobre a qual eu mais ouço reclamações na preparação de PI, que é a parte de teoria. Muitos falam ‘é difícil acompanhar as notas de imprensa do Itamaraty, é difícil decorar aquele monte de data e relação que o Brasil tem com o mundo. Mas principalmente para aqueles que não se formaram em RI há uma grande dificuldade na parte teórica e conceitual.” 
 
Teorias de RI e conceitos estão sempre presentes na prova de PI do CACD. Este ano, surpreendentemente, não foram cobrados na primeira fase do certame, mas foram objeto de duas questões da terceira fase.
 
Durante o curso, o aluno será desafiado a sair da dimensão mais abstrata da teoria e olhar as iniciativas da diplomacia brasileira no mundo a partir das lentes das teorias de RI. Ou seja, vai aplicar os conceitos à realidade da PEB.
 
As aulas acontecem aos sábados, a partir do dia 21, sempre às 14h, e poderão ser acompanhas pela plataforma on-line do Curso Sapientia.
 
As vagas são limitadas. 
meme conte-me mais
Clique aqui para se inscrever.

Conhecendo o CACD

foto (face) azul claro

Olá, futuro diplomata!

Se você quer ser diplomata, você terá de passar pelo Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata, o famoso CACD. Sim, este é o nome do concurso temido por todos aqueles que almejam trabalhar no Serviço Exterior Brasileiro! 🙂

Para entender um pouquinho mais do CACD, coloco aqui o texto extraído do sítio do Instituto Rio Branco, órgão responsável tanto pela elaboração do concurso como pela formação dos diplomatas brasileiros:

“O CACD é o processo seletivo para ingresso na carreira de diplomata. Desde 1996, vem sendo realizado com a regularidade de pelo menos uma vez por ano, e já conta 20 edições. Sucede o exame vestibular para admissão no Curso de Preparação à Carreira de Diplomata (CPCD), o qual vigorou até 1995. Desde a edição de 2002, o CACD é realizado com a colaboração do Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (CESPE/UnB). Trata-se de concurso de abrangência verdadeiramente nacional, pois todas as fases são aplicadas em todas as capitais estaduais e no Distrito Federal.

A aprovação no CACD habilita o candidato a ingressar no cargo de terceiro secretário da carreira de diplomata de acordo com a ordem de classificação obtida e a matricular-se no Curso de Formação do Instituto Rio Branco.

Para além da aprovação no concurso, são requisitos para investidura na carreira de diplomata:

a) Ser brasileiro nato;
b) Estar no gozo dos direitos políticos;
c) Estar em dia com as obrigações eleitorais
d) Estar em dia com as obrigações do Serviço Militar no caso dos candidatos do sexo masculino;
e) Apresentar diploma de conclusão de curso de graduação de nível superior;
f) Apresentar aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo, verificada por meio de exames pré-admissionais.

O CACD é constituído de:

a) Prova objetiva em formato de teste, versando sobre Língua Portuguesa, História do Brasil, História Mundial, Política Internacional, Geografia, Língua Inglesa, Noções de Economia e Noções de Direito e Direito Internacional Público;

b) Prova escrita de Língua Portuguesa, constante de uma redação e dois exercícios de interpretação, de análise ou de comentário de textos;

c) Provas escritas de História do Brasil, Língua Inglesa, Geografia, Política Internacional, Noções de Direito e Direito Internacional Público, e Noções de Economia;

d) Provas objetivas de Língua Espanhola e Língua Francesa.

Em geral, as provas objetiva e escritas de Língua Portuguesa, História do Brasil, Língua Inglesa, Geografia, Política Internacional, Noções de Direito e Direito Internacional Público e Noções de Economia têm caráter eliminatório e classificatório, e as notas das provas de Língua Espanhola e Língua Francesa somente entram no cômputo geral para fins classificatórios.

Desde a edição de 2011, o CACD prevê a reserva de 10% das vagas da Primeira Fase a candidatos que se declarem afrodescendentes.

O Instituto tradicionalmente põe à disposição do candidato, no período que antecede a realização das provas, o Guia de Estudos, com o registro das questões propostas no exame anterior acompanhadas de respostas que mereceram avaliação positiva por parte das respectivas bancas examinadoras. O objetivo é orientar e auxiliar o candidato em sua preparação para o concurso, o qual exige, em todas as fases, leitura e análise críticas, capacidade de síntese e de organização de ideias e, sobretudo, maturidade intelectual, atributos inerentes ao fazer diplomático e que deverão estar presentes durante toda a trajetória profissional do diplomata.”

E aí, está interessado em estudar para o CACD? Conte com a nossa ajuda!
>>> Saiba mais sobre como se preparar melhor aqui.

Tem alguma dúvida?
>>> Curta a nossa página no facebook e interaja conosco: Quero ser diplomata, e agora?