Défi de Français : lés réponses

Pour ceux qui on fait le dernier défi, voici les réponses. À la prochaine !

1. « Je veux te remercier de ton aimable invitation et te prier de transmettre à tes parents ________» (Gustave Flaubert, Correspondance)
a) Acceptation
b) Acception

Acceptation : Action d’accepter.
Acception : Égard, préférence, sens qu’on donne à un mot.

2. « Comme les hauts gradins [du théâtre d’Éphèse] ________ le sol de la colline » (Ernest Renan)
a) affleuraient
b) effleuraient

Affleurer : Mettre de niveau deux choses contiguës, être au niveau de.
Effleurer : Toucher, examiner légèrement.

3. « Moi aussi, dit-il, j’ai assisté l’autre jour à l’enterrement civil d’un de mes agents. J’ai même prononcé, non pas un discours, mais une petite _________ » (Jules Renard)
a) Allocation
b) Allocution

Allocation : Action d’allouer une somme, une indemnité. La somme elle-même.
Allocution : Discours de peu d’étendue.

4. « Votre honneur, répondit le jeune capitaine, est trompé par une _______ d’optique » (Jules Verne)
a) illusion
b) allusion

Allusion : Mot, phrase qui fait penser à une chose, à une personne sans qu’on en parle.
Illusion : Erreur des sens ou de l’esprit qui fait prendre l’apparence pour la réalité.

5. « Quelques années plus tôt, elle se serait adressée à un _______ pour savoir son avenir, pour trouver son bonheur.» (Maurice Barrès)
a) astronome
b) astrologue

Astrologue : Personne qui prétend prédire les événements d’après l’inspection des astres.
Astronome : Savant qui étudie les mouvements, la constitution des astres

6. « Son _______ au trône lui enleva son père ; sa descente du trône pensa renverser son empire» (Chateaubriand)
a) avènement
b) événement

→ Avènement : Venue, arrivée, élévation à une dignité suprême.
→ Événement : Issue, fait, incident remarquable.

7. « Pour lui, l’amour pur, l’amour comme on le rêve au jeune âge la ______ de deux natures angéliques» (Honoré de Balzac)
a) collision
b) collusion

Collision : Choc, combat.
Collusion : Entente secrète entre deux parties, deux personnes pour tromper un tiers.

8. « [Cet oxyde] ________ la flamme tantôt en vert (…) tantôt en violet» (Lapparent)
a) colorie
b) colore

Colorer : Donner de la couleur. Présenter sous un jour favorable.
Colorier : Appliquer des couleurs sur un objet.

9. « Les innombrables heures infernales que j’ai _______ sur ce canapé» (Duhamel)
a) consommées
b) consumées

Consommer : Détruire par l’usage, achever, accomplir.
Consumer : Détruire, purement et simplement, faire dépérir. Consumer son temps, sa vie – Employer son temps à des choses futiles et sans intérêt.

10. « Il était impossible d’empêcher la fuite du gaz, qui s’échappait librement par une ______ de l’appareil » (Jules Verne).
a) Déchirement
b) Déchirure

Déchirure : Rupture faite en déchirant.
Déchirement : Action de déchirer, grand chagrin, discorde.

11. Elle [la duchesse] fit voler les deux bouts de l'(________) qui pendait à ses côtés. (Honoré de Balzac, La Duchesse de Langeais)
a) écharpe
b) écharde

Écharpe : Bande d’étoffe qui se porte sur les épaules ou à la ceinture.
Écharde : Petit corps qui est entré dans la chair.

12. Le nom de ton amant va tout (________), va tout nous dire, n’est-ce pas ? Qui aimes-tu ? Qui est-ce ? (Jean Giraudoux, Électre)
a) éclairer
b) éclaircir

Éclairer : Répandre la lumière sur… Rendre compréhensible, intelligible.
Éclaircir : Rendre clair.

13. Tout à coup, l'(________) orage éclata. (Pétrus Borel, Champavert)
a) éminent
b) imminent

Éminent : Qui s’élève. Qui est plus haut que le reste.
Imminent : Qui menace. Très prochain.

14. La civilisation s’affaisse et disparaît momentanément sous d’effrayantes (________) de barbares, venant les unes du dehors, les autres du dedans. (Victor Hugo, Le Rhin)
a) éruptions
b) irruptions

Éruption : Sortie instantanée et violente.
Irruption : Entrée soudaine d’ennemis dans un pays, de gens dans un lieu ; débordement des eaux.

15. Nous pouvons, en y traçant une (________) convenable, transformer un thermomètre non gradué soit en thermomètre Fahrenheit, soit en thermomètre Réaumur (Henri Poincaré, La Valeur de la Science)
a) gradation
b) graduation

Gradation : Accroissement ou décroissement.
Graduation : Action de graduer, état de ce qui est gradué.

Défi de Français: Les paronymes

Com as mudanças nas provas de Francês e Espanhol do CACD 2017 (que voltaram a ser discursivas), não podemos deixar de lado o estudo consistente das línguas cobradas na 3a Fase. Por isso, decidimos publicar, excepcionalmente, o desafio de Francês hoje, sexta-feira, já que ontem nós todos estavámos envolvidos com as novidades da prova desse ano. Se você ainda não viu o que mudou na portaria publicada ontem, o blog Sapi fez um resumão para você. Confira! 😉

———————————————————————————————————————————————

Bonjour à toutes et à tous. Certains mots présentent une ressemblance plus ou moins grande par leur forme et leur prononciation. Ils ont parfois la même étymologie. Ce sont des paronymes. Il ne faut pas les confondre.
Pouvez-vous éviter ces confusions de sens ?

Choisissez la bonne réponse. Bonne chance !

1. « Je veux te remercier de ton aimable invitation et te prier de transmettre à tes parents ________» (Gustave Flaubert, Correspondance)
a) Acceptation
b) Acception

2. « Comme les hauts gradins [du théâtre d’Éphèse] ________ le sol de la colline » (Ernest Renan)
2) affleuraient
b) effleuraient

3. « Moi aussi, dit-il, j’ai assisté l’autre jour à l’enterrement civil d’un de mes agents. J’ai même prononcé, non pas un discours, mais une petite _________ » (Jules Renard)
a) Allocation
b) Allocution

4. « Votre honneur, répondit le jeune capitaine, est trompé par une _______ d’optique » (Jules Verne)
a) illusion
b) allusion

5. « Quelques années plus tôt, elle se serait adressée à un _______ pour savoir son avenir, pour trouver son bonheur.» (Maurice Barrès)
a) astronome
b) astrologue

6. « Son _______ au trône lui enleva son père ; sa descente du trône pensa renverser son empire» (Chateaubriand)
a) avènement
b) événement

7. « Pour lui, l’amour pur, l’amour comme on le rêve au jeune âge la ______ de deux natures angéliques» (Honoré de Balzac)
a) collision
b) collusion

8. « [Cet oxyde] ________ la flamme tantôt en vert (…) tantôt en violet» (Lapparent)
a) colorie
b) colore

9. « Les innombrables heures infernales que j’ai _______ sur ce canapé» (Duhamel)
a) consommées
b) consumées

10. « Il était impossible d’empêcher la fuite du gaz, qui s’échappait librement par une ______ de l’appareil » (Jules Verne).
a) Déchirement
b) Déchirure

11. Elle [la duchesse] fit voler les deux bouts de l'(________) qui pendait à ses côtés. (Honoré de Balzac, La Duchesse de Langeais)
a) écharpe
b) écharde

12. Le nom de ton amant va tout (________), va tout nous dire, n’est-ce pas ? Qui aimes-tu ? Qui est-ce ? (Jean Giraudoux, Électre)
a) éclairer
b) éclaircir

13. Tout à coup, l'(________) orage éclata. (Pétrus Borel, Champavert)
a) éminent
b) imminent

14. La civilisation s’affaisse et disparaît momentanément sous d’effrayantes (________) de barbares, venant les unes du dehors, les autres du dedans. (Victor Hugo, Le Rhin)
a) éruptions
b) irruptions

15. Nous pouvons, en y traçant une (________) convenable, transformer un thermomètre non gradué soit en thermomètre Fahrenheit, soit en thermomètre Réaumur (Henri Poincaré, La Valeur de la Science)
a) gradation
b) graduation

Saiu a Portaria do CACD 2017! A Maratona vai começar!

Saiu hoje, no Diário Oficial da União, a portaria que autoriza a realização do Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata em 2017!

giphy

Se você é marinheiro de primeira viagem no CACD, vamos explicar melhor o que isso significa. Essa portaria de autorização é o primeiro passo para a divulgação do edital do CACD 2017. Ela apresenta algumas informações muito importantes, como o número de vagas, estrutura das provas e data da primeira fase (em relação à publicação do edital).

Como o CACD não é para principiantes, quem achou que o modelo dos últimos anos ia ser seguido à risca esse ano errou feio! A portaria determinou algumas mudanças importantes que você deve prestar atenção. A prova escrita de Língua Inglesa passou para a 2ª fase, junto com a prova de Língua Portuguesa, ambas de caráter eliminatório e classificatório. Já na 3ª fase são duas mudanças: a prova de Geografia volta a ser separada da prova de Política Internacional e as provas de Francês e Espanhol voltam a ser discursivas.

Com tantas mudanças, só o que não mudou mesmo foi o número de vagas: continuam sendo 30 vagas. Como a portaria não estabeleceu redução do prazo para a realização do concurso (como fizeram nos últimos anos), fica valendo o determinado no artigo 18 do decreto nº 6.944, de 2009, que estabelece prazo mínimo de 60 dias após a publicação do edital.

Além de todas essas informações importantíssimas, a publicação da portaria também indica mais uma coisa para os cacdistas: ela quer dizer que daqui a pouco teremos o nosso aguardado EDITAL! Nos últimos anos, os editais foram divulgados poucos dias após a portaria, então preparem-se porque o CACD 2017 já vai começar!

E para vocês entrarem com tudo nesse período pré-TPS, o Curso Sapientia já está com matrículas abertas para o curso MARATONA 1ª FASE! Descubra como fazer uma revisão intensiva verdadeiramente eficiente no curso on-line que mais contribuiu para a aprovação de diplomatas nos últimos anos, com a certeza de que seu tempo e dinheiro serão bem investidos nesta reta final da preparação.

O objetivo do Maratona 1ª Fase é direcionar os estudos do aluno que busca uma revisão de conteúdo para a primeira fase do Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD). O foco do curso é uma revisão temática com resolução de questões objetivas que seguem o mesmo formato do TPS, com destaque para os assuntos mais recorrentes nas provas do CACD.

O curso Maratona 1ª Fase é composto por 9 módulos (disciplinas) que abrangem absolutamente tudo que você precisa para a 1ª Fase do CACD 2017. Os módulos podem ser adquiridos separadamente, mas a modalidade completa garante uma revisão específica e pragmática de todas as matérias do CACD. É a melhor revisão para a 1ª Fase e está com condições especiais para os primeiros inscritos!

Quer saber mais? Clique na imagem abaixo e conheça tudo sobre a Maratona 1ª Fase!

combo-face-1200.png

 

Sugestão de leitura: IIRSA e a integração física na América do Sul

O projeto de construção do Túnel Binacional de Água Negra, ligando Argentina e Chile, teve importantes avanços recentemente. Além da liberação de empréstimo o valor de US$40 milhões pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no fim do ano passado, para a estrutura e desenho final do projeto, 10 consórcios interacionais já demonstraram interesse na construção do túnel mais longo da América Latina.

O túnel de Água Negra é um dos maiores projetos de integração física da América do Sul, não só por ser um dos poucos túneis do mundo a ligar dois países, mas por também ter a possibilidade de se transformar em um corredor bioceânico central, permitindo a conexão com Porto Alegre. O projeto, desenvolvido no âmbito da Unasul, é exemplo da capacidade de promoção da integração física por meio da Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA).

O projeto entre Argentina e Chile faz parte da chamada Agenda de Projetos Prioritários de Integração (API) da IIRSA na qual foram selecionados projetos de integração e de infraestrutura capazes de produzir maiores impactos para a integração regional e desenvolvimento dos países da região. Dificuldade na integração física é considerada como um dos obstáculos para  a inserção mais eficiente dos países sul-americanos no mercado internacional.

Para o CACD, é importante que o candidato conheça o funcionamento da IIRSA e os principais vetores dos projetos de integração sendo desenvolvidos. O relatório Integration Priority Project Agenda 2016 descreve os projetos prioritários da IIRSA, seu estágio atual, além de trazer um resumo sobre a iniciativa, seu histórico e sua relevância para a integração regional. Mas cuidado! O projeto é bem técnico quando trata dos projetos especificamente, então o blog Sapi recomenda que você se concentre apenas nos capítulos 1 e 2 do relatório, que apresentam as informações mais interessantes para o CACD. Confira!

O Brasil e a OCDE

Na terça-feira, dia 30 de maio, o Brasil formalizou um pedido para integrar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A decisão de entrar formalmente para o chamado “clube dos ricos” é possivelmente a decisão mais significativa da chancelaria do Ministro Aloysio Nunes até o momento e gerou bastante debate sobre as consequências desse ato para a política externa brasileira e para a posição do Brasil no mundo. Como é um tema quente no meio diplomático, quem está se preparando para o CACD precisa saber mais sobre essa instituição e sobre o histórico brasileiro nesse contexto.

(Falando nisso, vocês viram que o saiu no Diário Oficial da União a escolha do CESPE como banca do CACD? Ou seja, o CACD 2017 já está saindo do forno…)

O que é a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico/OCDE?

Criada em 1961, a OCDE é uma organização internacional atualmente formada por 35 países que tem como objetivo principal promover melhorias em bem-estar econômico e social ao redor do mundo. Por meio da troca de experiências e comparação entre políticas domésticas, a OCDE visa a coordenação de políticas e a promoção de padrões convergentes entre os membros em diversas questões, como econômicas, financeiras, comerciais, sociais e ambientais. As recomendações (não obrigatórias) e decisões (obrigatórias) da OCDE são feitas por meio do monitoramento de países (membros ou não), análise de dados econômicos e políticos e projeções de curto e médio prazo que são discutidas comitês da organização.

Os Estados-membros da OCDE compartilham os princípios da democracia representativa e da economia de livre mercado e, apesar de serem majoritariamente economias consideradas avançadas, também incluem atualmente países emergentes como México e Coreia do Sul. Os membros atuais são: Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, Coreia do Sul, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Latvia, Luxemburgo, México, Nova Zelândia, Noruega, Polônia, Portugal, Suécia, Suíça, Turquia, Reino Unido, República Tcheca.

A OCDE é um dos pilares do sistema internacional surgido no pós-Segunda Guerra, sendo um símbolo da ordem liberal instituída naquele momento. As origens da instituição remontam ao Plano Marshall e à ajuda norte-americana para a reconstrução dos países europeus após o conflito. Em 1948, os Estados Unidos patrocinaram a criação da Organização Europeia de Cooperação Económica (OECE), que seria responsável em gerir os recursos do auxílio econômico americano. A OECE agiria como uma forma de contato entre os países, de forma que reconhecessem a interdependência econômica entre eles, além de buscar promover uma repartição justa dos recursos de acordo com as necessidades e interesses dos países.

O êxito da OECE impulsionou a expansão dessa cooperação econômica para além da Europa e com isso foi criada a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em 1960 (em vigor em 1961), originalmente formada pelos membros da OECE, Estados Unidos e Canadá. A OCDE surge como uma organização formada por economias desenvolvidas e organizadas, que são consideradas padrões de credibilidade do sistema internacional, por isso também é chamada de “clube dos ricos.” A ampliação da atuação da organização para além do eixo norte-atlântico não foi demorada, com a admissão do Japão, em 1964, e da Austrália, em 1971. Mais recentemente, economias emergentes que vinham ganhando credibilidade e projeção internacional passam a fazer parte da OCDE, como é o caso do México, em 1994, e da Coreia do Sul, em 1996.

O histórico brasileiro na OCDE

Nos anos 1990, o Brasil projetava-se como importante ator regional e buscava a modernização e a liberalização de sua economia. Com a entrada de emergentes na OCDE, há a oportunidade do país também se integrar a essa organização e o governo Fernando Henrique Cardoso busca aproximar-se, participando regularmente de reuniões. Durante o governo Lula, a maior participação brasileira no sistema internacional, alcançada pelo desenvolvimento econômico e pela posição de liderança, fez com que o país se destacasse, sendo referência para países centrais e periféricos. Nesse contexto, em 2007, a OCDE inclui o Brasil e outras economias emergentes (China, Índia, Indonésia e África do Sul) no chamado “Engajamento Reforçado” de forma a reforçar a cooperação entre esses países e a organização, além de ser importante aspecto para tornar a OCDE mais representativa e democrática.

Apesar do governo Lula não buscar a entrada efetiva na organização sob o argumento de não ter interesse em perder a conexão com os países periféricos, a cooperação com a OCDE continuou a aprofundar-se, pautada na seleção de áreas específicas de colaboração com base no interesse mútuo. Em 2015, foi assinado o Acordo de Cooperação entre o Brasil e a OCDE, que permitiu o aprofundamento e a sistematização do relacionamento bilateral e institucionalizou a participação brasileira em diversos foros da OCDE.

A aproximação recente que levou à formalização do pedido de adesão ocorre em um momento no qual o Brasil busca formas de melhorar o ambiente de negócios de forma a superar as dificuldades econômicas que o país tem passado. Apesar da tradicional participação do Brasil na OCDE, tendo participado de mais de 30 instâncias da organização e aderido a mais de 20 instrumentos, a entrada formal pode trazer ganhos ao Brasil visto que vincularia o país a regras de transparência, implementaria garantias a investimentos e estabeleceria metas de abertura econômica. Mas também há riscos, como a experiência mexicana demonstrou. Quando o México ingressou na OCDE, acabou, de certa forma, isolado de outros países periféricos, além de ter perdido benefícios pelo novo status que alcançou no sistema internacional. Independente da opinião sobre essa escolha, a formalização do pedido de entrada na OCDE é um marco da diplomacia brasileira atual.

 

Desafío de Español: las respuestas

¿Listos para las respuestas del desafío de ayer?

 

Completa con la forma correcta de las palabras que se encuentran a la derecha.

1. ¿ Lo tendrás listo hoy?
– Sí, seguro. Esta tarde o esta noche. Bueno, si no me pide Carlos que le ayude con su informe.

2. Me gustaría mucho hacerlo y si tuviera tiempo, lo haría con mucho gusto, pero, no… Me temo que no puedo.

3. El Sevilla podría haber ganado el partido. Si Blanco no hubiera recibido la tarjeta roja en la primera mitad, creo que nunca habríamos perdido.

4. ¿ Por qué te enfadas tanto? Sí, Marisa ha cometido un error. Todos cometemos errores, ¿ no?
– Si fuera sólo un caso aislado, no sería un problema.

5. No entiendo por qué no me ha llamado. Si me hubiera llamado se lo habría explicado pero ahora ya es tarde.

6. Bueno, si quieres, vamos los dos este fin de semana a Córdoba. ¿ Qué te parece?

7. Fue una experiencia inolvidable pero no me gustaron mucho los primeros días. En primer lugar porque es un lugar muy turístico y los vendedores locales eran muy molestos. No podíamos ir a ningún lado sin que varios de ellos nos siguieran.

8. Sí, me imagino que no es nada agradable que quieran vender a toda costa. Pero no creo que sea fácil evitarlo, con el dinero que gastan los turistas..

Desafío de Español: Condicionales con si

¡Hola! Volvimos hoy con preguntas sobre condicionales. ¿Sabes cómo usarlos?

¡Inténtalo!

Completa con la forma correcta de las palabras que se encuentran a la derecha.

1. ¿ Lo tendrás listo hoy?
– Sí, seguro. Esta tarde o esta noche. Bueno, si no me ________ (pedir) Carlos que le ayude con su informe.

2. Me gustaría mucho hacerlo y si ______ (tener) tiempo, lo _____ (hacer) con mucho gusto, pero, no… Me temo que no puedo.

3. El Sevilla podría haber ganado el partido. Si Blanco no _____ (recibir) la tarjeta roja en la primera mitad, creo que nunca ______ (perder – nosotros).

4. ¿ Por qué te enfadas tanto? Sí, Marisa ha cometido un error. Todos cometemos errores, ¿ no?
– Si ___ (ser) solo un caso aislado, no _____ (ser) un problema.

5. No entiendo por qué no me ha llamado. Si me ___ (llamar) se lo ___ (explicar – yo), pero ahora ya es tarde.

6. Bueno, si _____ (querer- tú), ______ (ir – nosotros) los dos este fin de semana a Córdoba. ¿ Qué te parece?

7. Fue una experiencia inolvidable pero no me gustaron mucho los primeros días. En primer lugar porque es un lugar muy turístico y los vendedores locales eran muy molestos. No podíamos ir a ningún lado sin que varios de ellos nos ______ (seguir).

8. Sí, me imagino que no es nada agradable que _____ (querer -ellos) vender a toda costa. Pero no creo que ______ (ser) fácil evitarlo, con el dinero que gastan los turistas..

3 Perguntas: Romantismo e Modernismo

Embora separados por quase um século, o Romantismo e o Modernismo são dois movimentos literários de suma importância para o CACD. Não é fortuito que sejam temas recorrentes no exame, tendo aparecido não só nas duas fases de Português, mas também em História. Conhecer esses dois momentos é tanto requisito quanto diferencial para a aprovação.

Devido à importância desses movimentos para o concurso, o professor Ivo Yonamine respondeu 3 Perguntas que vão auxiliar nos seus estudos para o CACD. Confira!

1) Por que são movimentos estéticos tão importantes?
2) Quais conhecimentos mínimos se deve ter?
3) Quais conhecimentos adicionais e desejáveis a banca tem solicitado?

 

30 anos da Agência Brasileira de Cooperação

A Agência Brasileira de Cooperação (ABC) completa 30 anos em 2017. Integrada ao Ministério das Relações Exteriores (MRE), a ABC foi criada para coordenar os programas e projetos brasileiros de cooperação técnica internacional, trabalhando no fortalecimento da cooperação do Brasil para o exterior e na coordenação da cooperação técnica do exterior para o Brasil. Ao longo das três décadas de atuação, a ABC desenvolveu parcerias com cerca 147 instituições brasileiras, 29 organismos internacionais e 30 agências de cooperação de países desenvolvidos e em desenvolvimento, além de cooperações bilaterais com 124 países.

A cooperação técnica ao longo do tempo

O conceito de cooperação técnica internacional evoluiu ao longo do século XX e remonta à Conferência de Bretton Woods, na qual a cooperação foi identificada como um mecanismo auxiliar do desenvolvimento, de forma a recuperar países afetados pelo conflito internacional e acelerar o desenvolvimento dos países menos industrializados. Em 1948, o conceito de “assistência internacional” é adotado pela Assembleia Geral da ONU, definida como transferência não comercial de técnicas e conhecimentos entre atores de nível desigual de desenvolvimento.

A ideia de doação que existia no conceito de assistência internacional é retirada com a adoção do conceito de cooperação técnica a partir de 1959, que pressupõe uma relação de trocas e interesses mútuos, mesmo havendo partes desiguais no processo (já que, originalmente, a cooperação internacional teve forte componente norte-sul). O caráter não comercial foi mantido, porém com foco na capacitação institucional, de forma a reduzir assimetrias e garantir a continuidade de projetos.

Nas décadas seguintes, a cooperação por intermédio de organismos internacionais foi ganhando espaço, destacando-se a atuação do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e para a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (ONUDI). O sucesso das iniciativas de cooperação norte-sul fez com que as Nações Unidas passassem a fomentar a cooperação técnica entre países em desenvolvimento já na década de 1970, focando em projetos passíveis de serem transferidas para outros países com problemas semelhantes. Desta forma, a cooperação técnica internacional passa a funcionar não somente como instrumento auxiliar de promoção do desenvolvimento nacional, mas também como importante mecanismo de estreitamento das relações entre países do sul global.

O Brasil e a cooperação internacional

Inicialmente destino de projetos de cooperação internacional, o Brasil alcançou importantes avanços institucionais e técnicos por meio de parcerias com países desenvolvidos, elevando as suas bases de conhecimento e capacidades técnicas a ponto de se tornarem entidades de excelência em seu campo de atuação. Nas últimas três décadas, foram executadas certa de 4 mil atividades de cooperação em benefício do Brasil, mobilizando aproximadamente US$ 6 bilhões de recursos nacionais e US$ 1.5 bilhão de recursos estrangeiros. As iniciativas priorizam, atualmente, a agenda de desenvolvimento sustentável e social, promoção de direitos e modernização da gestão pública.

Reconhecendo a importância da cooperação técnica internacional para o desenvolvimento nacional, o governo brasileiro passou a disponibilizar a sua experiência para outros países, retornando, assim, os benefícios que conquistou. Com isso, a cooperação recebida passou a dar lugar, gradativamente, à prestada pelo Brasil, que se utilizou das políticas bem-sucedidas em seu território para auxiliar países em desenvolvimento que enfrentavam desafios similares. Mais de 3 mil projetos de cooperação do Brasil para o exterior já foram realizados por meio de parceiros com outros países e organismos internacionais, em 108 países da África, América Latina, Ásia e Oceania.

As iniciativas brasileiras de cooperação são desenvolvidas a partir da demanda dos países em desenvolvimento, analisadas a partir das capacidades técnicas do Brasil na área em questão. A cooperação técnica não prevê prestar apoio financeiro aos países, apenas o reforço de capacidades e a transferência de conhecimento. Outros princípios que guiam a cooperação técnica brasileira são a não imposição de condicionalidades para o intercâmbio de tecnologia e conhecimento e a reprodução de boas práticas adaptadas à realidade de cada país parceiro.

Atualmente, entre cooperação recebida e cooperação prestada, existem cerca de 620 projetos em execução, nas áreas de saúde, educação, agricultura, desenvolvimento social, meio ambiente, trabalho e emprego, administração pública e segurança pública.

Bônus! No ano passado, o blog Sapi fez uma lista com Cinco iniciativas brasileiras de Cooperação Sul-Sul que pode te ajudar a compreender melhor como esse mecanismo funciona. Além disso, a Agência Brasileira de Cooperação publicou um vídeo pelos seus 30 anos que também é interessante para ver o funcionamento da ABC e a implementação dos projetos. Confira!

Sugestão de leitura: China e a One Belt, One Road

Um dos assuntos mais comentados dos últimos tempos em política internacional é a iniciativa chinesa One Belt, One Road (OBOR). O ambicioso projeto de infraestrutura, proposto em 2013, busca a “revitalização da famosa rota da seda” e, com isso, dar novo impulso ao comércio mundial. O tema ganhou destaque nos últimos dias pela realização do One Belt, One Road Forum, em Pequim, conferência que contou com a participação de mais de 20 líderes mundiais, incluindo o presidente russo Vladmir Putin. O presidente chinês Xi Jinping detalhou alguns dos projetos que serão promovidos por meio dessa iniciativa, cuja estimativa de custos giram entre US$2 e US$4 trilhões nos próximos anos.

Como China é um assunto sempre presente no CACD, fizemos uma lista com pequenos artigos sobre a iniciativa e sobre os objetivos chineses nesse processo para que você tenha um bom entendimento do assunto e não passar sufoco na hora da prova.

China’s big push for its global trade narrative (BBC): o artigo apresenta um panorama abrangente sobre a iniciativa, seu possível viés geopolítico e o impulso midiático por trás dos esforços do governo.

What is China’s belt and road initiative? (The Economist): esse artigo também aborda, de forma concisa, os possíveis motivos secundários da iniciativa chinesa e a necessidade de mobilização dos países ocidentais em relação ao tema.

China’s Push for the One Belt One Road (OBOR) Initiative (Foreign Policy Journal): o artigo apresenta posições mais críticas sobre o empreendimento chinês, especialmente em relação à imagem promovida pela mídia chinesa, citando algumas dificuldades que persistem.

President Xi Jinping’s “Belt and Road” Forum (CSIS): um breve Q&A sobre a iniciativa chinesa, a resposta dos países envolvidos e o que significa para os interesses americanos.

5 ambiciosos projetos de infraestrutura com os quais a China quer ‘sacudir’ a ordem econômica mundial (BBC Brasil): lista de projetos específicos contemplados na iniciativa para ficar mais fácil de entender a magnitude desse projeto.

Curiosidade: Como alguns artigos mencionam, a mídia chinesa está participando ativamente da promoção da One Belt, One Road, divulgando vídeos explicativos e animados sobre o impacto da iniciativa para a integração mundial. O China Daily divulgou também uma música infantil que destaca todos os aspectos considerados positivos do projeto. Confira abaixo: